A esquizofrenia é uma condição humana possível de ser compreendida e para qual há caminhos de superação. É um transtorno mental que acontece devido a alterações no funcionamento do cérebro. Estas alterações levam a pessoa a entender e experimentar a realidade de uma forma diferenciada, o que causa dificuldades nas relações com o seu mundo interior e com as outras pessoas. As dificuldades impostas pelos sintomas da esquizofrenia afetam a convivência familiar e social e atrapalham o desempenho cognitivo.

A doença afeta cerca de 0,7% da população e aparece normalmente no período entre o final da adolescência e começo da vida adulta.

Como a doença evolui:

É importante saber que a esquizofrenia evolui através de crises agudas e períodos de remissão. As crises agudas se bem tratadas podem ser controladas em torno de um mês. Os períodos de remissão se bem tratados podem durar anos, durante os quais a pessoa tem a possibilidade de redesenhar o seu caminho de vida. A esquizofrenia é um transtorno mental crônico, isto é, precisa de tratamento por tempo indeterminado. Geralmente as crises ocorrem porque a pessoa abandona os tratamentos ou por uma maior vulnerabilidade aos estresses da vida. Por isso seguir os tratamentos é fundamental.

Tratamento psiquiátrico:
O tratamento psiquiátrico se baseia na relação de confiança entre a pessoa com esquizofrenia, a família e o médico. O principal objetivo é tratar a crise quando acontece e prevenir as recaídas, de forma que a pessoa tenha condições internas de redesenhar seu caminho na vida. O tratamento se baseia no uso de medicamentos que são denominados de antipsicóticos. Não existe um antipsicótico que se melhor que os outros, cada pessoa se adapta melhor com o uso de um deles. É fundamental conversar com o psiquiatra sobre como a pessoa com esquizofrenia se sente e também como a família está percebendo a pessoa, estas informações são muito importantes para negociar com o médico estratégias de enfrentamento da doença, as doses dos medicamentos e a relação custo-benefício considerando os efeitos colaterais e efeitos terapêuticos.

Tratamentos Psicossociais:
Os tratamentos psicossociais tem como objetivo a reinserção social da pessoa com esquizofrenia e ajudar a família neste processo. São tratamentos voltados a ajudar a pessoa lidar com as dificuldade e desafios do dia a dia, entender melhor as questões que vive no seu íntimo e na interação com as pessoas, estabelecendo um cotidiano que seja confortável e produtivo. Esses tratamentos também ajudam a pessoa a ampliar e dar significado a sua rede de relacionamentos na comunidade em que vive e nas relações familiares. Os principais tratamentos psicossociais são: psicoterapia, terapia ocupacional e o serviço social.

Superacão:
A superação (recovery) é uma jornada pessoal que cada pessoa com esquizofrenia pode trilhar para uma vida com qualidade. Este processo vem sendo compartilhado por pessoas com transtorno mental desde a década de 80, a partir do relato das suas experiências pessoais. Baseia-se em: encontrar e manter a esperança; reestabelecimento da identidade; encontrar sentido na vida e; tornar-se responsável pelo seu processo de superação.
Tenha informações mais detalhadas, com exemplos, nos nossos livretos “Conversando Sobre a Esquizofrenia”.